Airbus inicia testes em equipamentos de assistência a pilotos

siga o ONTIME no Instagram: @ontime.av

Foto: Airbus

A Airbus UpNext, uma subsidiária integral da Airbus, começou a testar novas tecnologias de assistência ao piloto em solo e em voo em uma aeronave de teste A350-1000. 

Conhecidas como DragonFly, as tecnologias que estão sendo demonstradas incluem desvio automatizado de emergência em cruzeiro, pouso automático e assistência de táxi e visam avaliar a viabilidade e pertinência de explorar ainda mais sistemas de voo autônomo em apoio a operações mais seguras e eficientes.

“Esses testes são uma das várias etapas na pesquisa metódica de tecnologias para aprimorar ainda mais as operações e melhorar a segurança. Inspirados pela biomimética, os sistemas que estão sendo testados foram projetados para identificar características na paisagem que permitem que uma aeronave “veja” e manobre com segurança de forma autônoma dentro de seus arredores, da mesma forma que as libélulas são conhecidas por terem a capacidade de reconhecer pontos de referência”, disse Isabelle Lacaze, chefe do demonstrador DragonFly, Airbus UpNext.

Durante a campanha de teste de voo, as tecnologias foram capazes de auxiliar os pilotos em voo, gerenciando um evento simulado de um membro da tripulação incapacitado e durante as operações de pouso e taxiamento. Levando em consideração fatores externos como zonas de voo, terreno e condições climáticas, a aeronave foi capaz de gerar um novo plano de trajetória de voo e se comunicar tanto com o Controle de Tráfego Aéreo (ATC) quanto com o Centro de Controle de Operações da companhia aérea.

O Airbus UpNext também explorou recursos para assistência de táxi, que foram testados em tempo real no Aeroporto de Toulouse-Blagnac. A tecnologia fornece à tripulação alertas de áudio em reação a obstáculos, controle de velocidade assistido e orientação para a pista usando um mapa do aeroporto dedicado. 

Além desses recursos, o Airbus UpNext está lançando um projeto para preparar a próxima geração de algoritmos baseados em visão computacional para avançar na assistência de pouso e táxi.

Esses testes foram possíveis por meio da cooperação com as subsidiárias da Airbus e parceiros externos, incluindo Cobham, Collins Aerospace, Honeywell, Onera e Thales. O DragonFly foi parcialmente financiado pela Autoridade de Aviação Civil Francesa (DGAC) como parte do plano de estímulo francês, que faz parte do Plano Europeu, Next Generation EU e do plano França 2030.

*Com informações da Airbus

Guilherme Dotto

Guilherme Dotto

Amante da aviação desde pequeno, nascido em Ribeirão Preto, spotter e viajante desse mundão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *